A cura do paralítico na piscina probatic.

Retirado do Evangelho Comentário de São João
por Santo Agostinho

João 5, 1-9

1 Então houve uma festa dos judeus e Jesus foi até Jerusalém. 2 Há em Jerusalém, na porta das Ovelhas, uma piscina, chamada em Betzaetà hebraica, com cinco fliperamas, 3sob o qual estava um grande número de doentes, cegos, mancos e paralíticos. 4 Um anjo, na verdade, em certos momentos desceu para a piscina e acenou com a água; o primeiro a entrar nele após a agitação da água curada de qualquer doença foi afetada 5 Havia um homem que estava doente há 38 anos. 6 Jesus o viu deitado e, sabendo que estava assim há muito tempo, disse-lhe: “Você quer se curar?” 7 O homem doente respondeu: “Senhor, eu não tenho ninguém para mergulhar na piscina quando a água treme. Enquanto eu estou prestes a ir lá, mais alguns descer diante de mim. 8 Jesus lhe disse: “Levante-se, pegue sua alface e caminhe”. 9 E no instante em que o homem se curou e, tomando sua alface, começou a andar. Mas aquele dia foi um sábado.

HOMILIA 17


Cura de um paralítico na piscina probacética.

Descer para a água agitada significava humildemente acreditar na paixão do Senhor. Apenas um foi curado para significar unidade. Ninguém mais foi curado, porque qualquer um que se separe da unidade não pode ser curado.

O símbolo paralisado e curado da unidade

1. Não deve ser surpresa que Deus tenha realizado um milagre; seria surpreendente se um homem tivesse conseguido. Deve nos encher de admiração e alegria mais com o fato de que o Senhor e salvador de nosso Jesus Cristo tornou-se homem do que o fato de que ele fez coisas divinas entre os homens. É mais importante para a nossa salvação o que ele fez pelos homens do que o que ele fez entre os homens; e importa mais ter curado os vícios das almas do que ter curado as doenças dos corpos mortais. Mas como a alma em si não conhecia aquele que tinha que curá-la, e tinha olhos em carne e osso para ver os fatos físicos enquanto ele ainda não tinha olhos saudáveis em seu coração para saber deus que estava escondido, o Senhor fez coisas que ela podia ver, para curar os outros olhos que não eram capazes de vê-lo. Ele entrou em um lugar onde estava uma grande multidão de doentes, cego, manco, paralítico; e desde que ele era o doutor de almas e corpos, e veio para curar todas as almas dos crentes nele, entre todos ele escolheu um para curar, para significar unidade. Se considerarmos superficialmente e de acordo com a maneira humana de entender e saber das coisas, não encontraremos aqui nem um grande milagre se pensarmos no poder dele, nem um ato de grande bondade se pensarmos em sua benignidade. Havia muitos, os doentes, e apenas um foi curado: no entanto, o Senhor, com uma palavra, poderia tê-los colocado todos de volta em seus pés. O que devemos concluir, se não que o poder e a bondade operavam mais com o propósito que as almas significavam através de seus gestos o sentido que possuem em relação à saúde eterna, do que para proporcionar algum benefício aos corpos no que diz respeito à saúde temporal? Porque a saúde dos corpos, a verdadeira, que esperamos do Senhor, será obtida no final dos séculos quando os mortos se reerguerem: então, o que viverá não morrerá mais, o que será curado não ficará mais doente; aqueles que foram saciados não estarão mais com fome ou sede, o que será então renovado não envelhecerá mais. Se considerarmos, agora, os fatos trabalhados pelo Senhor e salvador de nosso Jesus Cristo, vemos que os olhos dos cegos que ele abriu, foram fechados pela morte, e os membros dos paralíticos que ele reagrupou, foram novamente desintegrados pela morte; e assim toda a saúde temporariamente restaurada aos membros mortais, no final falhou, enquanto a alma que acreditava passou para a vida eterna. Com a cura deste doente, o Senhor queria oferecer um grande sinal à alma em que acreditaria, cujos pecados ele tinha vindo a colocar de volta e cujas enfermidades ele tinha vindo para curar com sua humilhação. Pretendo falar o quanto puder do profundo mistério deste fato e deste signo, segundo o qual o Senhor me concederá, contando com sua atenção e oração para ajudar a minha fraqueza. Minha insuficiência será inventada pelo Senhor, com a ajuda da qual faço o que posso.

2. Eu sei que já te contei mais de uma vez sobre esta piscina que tinha cinco varandas, nas quais havia uma grande multidão de pessoas doentes: o que eu vou dizer não será uma coisa nova para muitos de vocês. No entanto, não há sentido em voltar atrás sobre as coisas que já foram ditas: para que aqueles que ainda não as conhecem possam aprendê-las, e aqueles que as conhecem serão capazes de aprofundá-las. Não será necessário pensar sobre isso por muito tempo: uma breve declaração será sufoí. Acho que aquela piscina e aquela água significam o povo judeu. Que as águas simbolizam os povos nos diz claramente João no Apocalipse, quando, tendo sido mostrado muitas águas e tendo perguntado o que eles queriam dizer, foi dito que as águas são os povos (Cfr. Ap 17, 15). Aquela água, portanto, que as pessoas. Mas esses livros foram feitos para revelar enfermidade, não para curar os doentes. A lei de fato forçou os homens a se reconhecerem como pecadores, mas não os absolveu. Portanto, a carta sem graça criou culpados, que, reconhecendo-se como tal, seriam libertados da graça. Isto é o que diz o Apóstolo: se uma lei capaz de dar vida tivesse sido concedida, a justiça realmente viria da lei. Por que, então, a lei foi dada? O Apóstolo continua: Mas as Escrituras têm tudo trancado sob o pecado, para que os crentes possam ser concedidos a promessa em virtude da fé em Jesus Cristo (Gal 3:21-22). Nada mais claro. Eles não nos dão, talvez, essas palavras, a explicação dos cinco fliperamas e a multidão de doentes? Os cinco fliperamas representam a lei. Por que os cinco fliperamas não puderam curar os doentes? Porque se uma lei fosse concedida que pudesse dar vida, a justiça realmente viria da lei. Por que não puderam curar os que continham? Porque as Escrituras trancaram tudo sob o pecado, para que os crentes possam ser concedidos a promessa em virtude da fé em Jesus Cristo.

3. E por que eles se curaram na água agitada, quantos não conseguiram curar nos fliperamas? Na verdade, você podia ver a água de repente mexendo e você não podia ver quem estava acenando. Acredita-se que isso foi feito por virtude angelical, não sem alusão a um mistério. Assim que a água foi agitada, a primeira pessoa doente que poderia mergulhar nela curado; depois dele, quem mais se jogou na água, fez isso desnecessariamente. Isso significa que, se não que apenas um Cristo veio para o povo judeu e, através de suas grandes obras, com seus ensinamentos salutar, tem incomodado os pecadores; com sua presença agitou as águas provocando sua paixão? Mas ele acenou com a água enquanto permaneceu escondido. De fato, se o tivessem conhecido, não teriam crucificado o Senhor da Glória (1 Cor 2:8). Descer para a água agitada significa, portanto, humildemente acreditar na paixão do Senhor. Apenas um foi curado na piscina para significar unidade. Quem quer que tenha vindo em seguida, ele não estava curado porque fora da unidade você não pode curar.

O significado sagrado do número 40

4. Vamos agora ver o que o Senhor queria significar com aquele que só entre todos os doentes se curou, em ordem, como já dissemos, para preservar o mistério da unidade. Nos anos de sua doença ele encontrou um número que simbolizava enfermidade. Ele estava doente há 38 anos (Jn 5:5). Deve ser explicado um pouco melhor como esse número se refere mais à doença do que à cura. Tenha cuidado, por favor: o Senhor vai me ajudar a falar apropriadamente, para que você possa ouvir o suficiente. O quarenta é um número sagrado e é um símbolo de perfeição. Acredito que isso é conhecido por sua caridade. Isto é insistentemente atestado pelas escrituras divinas. O jejum, como você sabe, recebeu seu caráter sagrado deste número. Moisés jejuou quarenta dias (Cf. Ex 34: 28), assim como Elias (cf. 1 Rei 19:8), e o Próprio Senhor e Salvador Jesus Cristo com seu jejum chegou a este número de dias (Cfr. Mt 4,2). Agora, Moisés representa a Lei, Elias, os Profetas, o Senhor do Evangelho. Por esta razão, todos os três apareceram naquela montanha, onde o Senhor mostrou-se aos discípulos deslumbrantes em seu rosto e em seu manto (Cfr. Mt 17, 1-3). Ele apareceu no meio de Moisés e Elias, como se significasse que o Evangelho recebeu testemunhos da Lei e dos Profetas (Cfr). Rm 3, 21). Tanto na Lei, portanto, quanto nos Profetas e no Evangelho, o número quarenta parece ligado ao jejum. Agora, o jejum verdadeiro e completo, o jejum perfeito, consiste em abster-se da iniquidade e dos prazeres ilícitos do mundo: para que, ao negar a impiedade e a ganância do século, possa-se viver neste mundo com temperança, justiça e piedade. Que recompensa, de acordo com o Apóstolo, está reservada para tal jejum? Ele continua dizendo: esperando por essa esperança abençoada e manifestação da glória de Deus Abençoado, e nosso Salvador Jesus Cristo (T 2:12-13). Celebramos neste mundo como uma quarentena de abstinência quando vivemos bem, quando nos abstemos da iniquidade e dos prazeres ilícitos; e como essa abstinência não será sem recompensa, vamos esperar por essa esperança abençoada e manifestação da glória do grande Deus e Salvador nosso Jesus Cristo. Em virtude dessa esperança, quando a esperança se tornar realidade, receberemos dinheiro como recompensa. É a recompensa que, segundo o Evangelho, é dada aos trabalhadores do vinhedo (Cfr. Mt 20, 9h às 10h). lembrar? Espero que nem sempre tenha que lembrá-lo de tudo, como se fossem pessoas ásperas e não cultivadas. Você receberá, portanto, como recompensa um dinheiro correspondente ao número dez, que, somado a quarenta, é cinquenta. Por isso celebramos em penitência os quarenta dias antes da Páscoa, e com alegria, como aqueles que receberam a recompensa, os cinquenta dias após a Páscoa. A esta disciplina salutar de boas obras, a que o número quarenta se refere, adicionamos o dinheiro do descanso e da felicidade, e assim temos o número cinquenta.

5. O próprio Senhor Jesus queria significar isso mais claramente, quando, após a Ressurreição, passou quarenta dias na Terra com seus discípulos (Cfr. Em 1, 3); e, subiu ao céu no décimo quarto dia, depois de mais dez dias, enviou o dom do Espírito Santo (Cfr). Aos 2, 1-4). Esses mistérios foram previstos, e os sinais precederam a realidade. Estamos nos alimentando desses sinais, esperando para alcançar as realidades permanentes. Somos trabalhadores que ainda trabalham no vinhedo; após o dia, após o trabalho ter sido concluído, receberemos a recompensa. Mas qual trabalhador pode suportar até a recompensa se ele não se alimentar durante o trabalho? Você não só dá ao seu trabalhador o mercede, mas também fornece a ele a comida necessária para se refrescar durante a fadiga. Sim, alimente aquele a quem você dará a recompensa. Com este conteúdo das Escrituras, o Senhor pretende nutrir-nos também que estão preocupados em descobri-los. Se nos negassem a alegria que vem da inteligência dos mistérios, fracassaríamos na fadiga e ninguém viria à recompensa.

Realização da lei de caridade

6. Em que sentido, agora, o número 40 é um símbolo do trabalho realizado? Talvez porque a lei foi dividida em dez preceitos, e teve que ser pregada em todo o mundo, que o mundo consiste em quatro partes: Leste, Oeste, Meio-Dia e Norte; então, multiplicando o número dez por quatro, temos quarenta. Ou, porque o Evangelho, que está em quatro livros, é o cumprimento da lei, como se diz no próprio Evangelho: Não vim para abolir a lei, mas para realizá-la (Mt 5:17), Tanto por uma razão quanto pela outra, quanto por outra que nos escapa, mesmo que não escape daqueles que são mais aprendidos, é certo que o número quarenta indica uma certa perfeição em boas obras , perfeição que consiste acima de tudo no exercício da abstinência dos desejos ilícitos do mundo, ou seja, jejum compreendido no sentido mais verdadeiro. Ouça novamente o Apóstolo que diz: Caridade é o cumprimento da lei (Rm 13:10). E daí o nascimento da caridade? Da graça de Deus, do Espírito Santo. Não vem de nós, não somos os autores. É um dom de Deus, e o grande presente de Deus: a caridade de Deus foi derramada em nossos corações através do Espírito Santo que nos foi dado (Rm 5:5). A caridade, portanto, executa a lei, como foi dito com razão: A caridade é o cumprimento da lei. Vamos procurá-la, esta caridade, como o Senhor nos recomenda. Lembre-se do meu propósito: explicar o significado dos trinta e oito anos desse enfermo; de modo que esse número de trinta e oito deve se referir mais à doença do que à cura. Caridade, eu disse, é o cumprimento da lei. O número quarenta indica o cumprimento da lei em todas as ações, e a caridade é apresentada a nós em dois preceitos. Tenha cuidado, por favor, e conserte em sua memória o que eu digo a você, para não expô-lo ao desprezo pela palavra, fazendo de sua alma uma estrada onde o molde de sementes não germinou: Os pássaros virão e comem (M. 4:4). Bem-vindos e todos mantidos em seu coração. Há dois preceitos de caridade que o Senhor recomenda: Você amará o Senhor seu Deus com todo o seu coração, com toda a sua alma, com toda a sua mente; e você vai amar o próximo como a si mesmo. A estes dois preceitos é reduzida toda a Lei e os Profetas (Mt 22:37-40). Com razão, aquela pobre viúva que colocou dois centavos no tesouro do templo oferecendo a Deus, deu tudo o que tinha para viver (Cfr. Lk 21, 2-4); Assim, para curar aquela pessoa doente ferida por bandidos, o hoteleiro recebeu duas moedas (Cf. Lk 10, 35); assim, Jesus passou dois dias com os samaritanos para fortalecê-los na caridade (Cfr. Jn 4:40). Sendo, portanto, o símbolo número dois de uma coisa boa, através dele é acima de tudo inculcado a caridade distinta em dois preceitos. Agora, se o número quarenta significa perfeição da lei, e se a lei é cumprida apenas pelo duplo preceito da caridade, é surpreendente que esse homem tenha estado doente por quarenta anos menos dois?

7. Vamos agora ver como misteriosamente o Senhor curou esta enfermidade. De fato, o Senhor, mestre da caridade, cheio de caridade, veio para recapitalizar – como havia sido previsto – a palavra na Terra (Cfr. São 10, 23; 28, 22; Rm 9:28), e para mostrar que nos dois preceitos da caridade toda a Lei e todos os profetas são resumidos. Nestes dois preceitos são fechados Moisés com seu jejum de quarenta dias, e Elias com o seu; e este número também o Senhor escolheu em sua própria testemunha. O paralítico é curado pelo próprio Senhor; mas primeiro o que Jesus lhe diz? Você quer ser curado? (Jn 5:6). Ele diz que não tem um homem mergulhá-lo na piscina. Sim, para ser curado ele precisava absolutamente de um homem, mas um homem que também era Deus. Na verdade, Deus é o único, o mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus (1 Tm 2:5). Então veio o homem que era necessário; Por que ainda adiar a cura? Levante-se – diz o Senhor – pegue sua alface e caminhe (Jn 5:8). Três coisas que ele disse a ele: levante-se, pegue sua alface, caminhe. Mas a palavra levantada, ele não expressou o comando de algo a ser feito, mas o próprio ato de cura. Para os doentes já curados, o Senhor então ordena duas coisas: pegue sua alface e caminhe. Agora eu lhe pergunto: não foi suficiente para ordená-lo: você anda? ou apenas dizer levantar? Uma vez que ele se levantou curado, ele certamente não teria ficado lá. Ele não se levantaria para andar? Também estou impressionado com o fato de que o Senhor comandou duas coisas a esse homem que ele tinha encontrado enfermos por quarenta anos menos dois. Era como comandar-lhe as outras duas coisas que faltava para chegar aos quarenta.

Para ver Deus é preciso amar o próximo

8. Como, agora, podemos ver simbolizados nessas duas ordens do Senhor – Pegue sua alface e caminhe – os dois preceitos? Vamos nos lembrar juntos, ó irmãos, quais são esses dois preceitos. Pois eles devem estar presentes em você: você não deve chamá-los à mente apenas quando o lembramos deles; na verdade, eles nunca devem ser apagados de seus corações. Sempre, em todos os momentos, deve-se lembrar que é preciso amar a Deus e ao próximo: Deus com todo o seu coração, com toda a alma, com toda a mente, e com o próximo como nós mesmos (Lc 10:27). Isso é o que você deve sempre pensar, sempre meditar, sempre lembrar, sempre praticar, sempre executar perfeitamente. O amor de Deus é o primeiro a ser comandado, o amor do próximo é o primeiro que deve ser praticado. Ao enunciar os dois preceitos do amor, o Senhor não recomenda primeiro o amor do próximo e depois o amor de Deus, mas coloca primeiro Deus e depois vizinho. Mas como Deus ainda não o vê, você merece vê-lo amando os outros. Ao amar seu vizinho, você faz seu olho puro para que você possa ver Deus como João diz claramente: Se você não ama o irmão que você vê, como você pode amar Deus que você não vê? (1 Jn 4: 20). Ele lhe diz: ele ama Deus. Se você me disser: mostre-me o que devo amar, responderei com João: Ninguém nunca viu Deus (Jn 1:18). Com isso você não deve de forma alguma considerá-lo excluído da visão de Deus, porque o Evangelista afirma: Deus é caridade, e aqueles que permanecem na caridade permanecem em Deus (1 Jn 4:1). Ele, portanto, ama seu vizinho, e aponta dentro de você a fonte da qual o amor do vizinho nasce: você nos verá, como você pode, Deus. Então começa com amar o próximo. Quebre seu pão com aqueles que estão com fome, e traga para sua casa aqueles que são sem-teto; se você ver um ignudo, vesti-lo, e não desprezar quem é de sua carne. Ao fazer isso, o que vai acontecer? Em seguida, que aurora vai corroer sua luz (É 58:7-8). Sua luz é seu Deus. Ele é para você luz matinal, pois ele vem até você depois da noite deste mundo. Ele não se levanta ou se define, ele sempre brilha. Será luz da manhã para você voltar, aquele que te derrubou quando você estava perdido. Então, com isso pegue sua alface e caminhe, me parece que o Senhor quer dizer: amar o próximo.

Caminhando juntos

9. Permanece obscuro e requer explicação, na minha opinião, o fato de que o Senhor comanda o amor do próximo no ato em que ele nos ordena a tomar a alface, não parece conveniente para nós que o vizinho seja comparado a uma coisa bastante banal e inanimada, pois é uma alface. Não se ofende o próximo, se o Senhor nos recomendar através de algo desprovido de alma e inteligência. Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo foi chamado de pedra angular, destinado a reunir duas paredes, ou seja, dois povos (Cfr). Ef 2, 14-20). Também foi chamado de penhasco, do qual a água fluiu: E aquele penhasco era Cristo (1 Cor 10,4). Que maravilha, então, se outros são simbolizados na madeira da alface, já que Cristo foi simbolizado no penhasco? Nenhuma madeira, no entanto, é um símbolo dos outros, pois não qualquer penhasco era um símbolo de Cristo, mas aquele penhasco de onde a água fluiu para os sedentos; nem qualquer pedra, mas a pedra fundamental que se juntou em si as duas paredes de origem oposta. Então você não tem que ver o símbolo do próximo em qualquer madeira, mas na alface. Agora pergunto-lhe: por que o próximo simboliza na alface, se não porque aquele homem enquanto ele estava doente foi trazido para a alface, e, uma vez curado, foi ele quem trouxe a alface? O que diz o apóstolo? Carreguem os fardos um do outro, e assim cumprirão a lei de Cristo (Gal 6:2). A lei de Cristo é caridade, e a caridade não é cumprida a menos que carreguemos os fardos um do outro. Suportar uns aos outros com amor, acrescenta o Apóstolo, e estudar preservando a unidade do espírito através do vínculo de paz (Ef 4:2-3). Quando você estava doente você foi trazido pelo seu vizinho; agora que você está curado, você deve ser o único que traz o seu vizinho: Carregar os fardos um do outro, e assim você vai cumprir a lei de Cristo. É assim, ó cara, você vai completar o que perdeu. Então pegue sua alface. E quando conseguir, não pare, caminhe! Ao amar os outros e se importar com ele, você vai andar. Que caminho você tomará, se não aquele que leva ao Senhor Deus, para aquele a quem devemos amar com todo o nosso coração, com toda a nossa alma, com todas as nossas mentes? Ainda não chegamos ao Senhor, mas nosso vizinho sempre o tem conosco. Portanto, traga aquele com quem você anda, para alcançar aquele com quem deseja permanecer para sempre. Pegue sua alface e caminhe.

10. Assim fez isso, e os judeus ficaram chocados. Eles viram um homem trazer sua cama em um sábado e não se atreveram a levá-la com o Senhor que o curou em um sábado, porque temiam que ele respondesse: Qual de vocês, se uma égua cair no poço, não o mata em um sábado, e não o salva? (cf. Lc 14,5). Então eles não o culparam por curar um homem em um sábado, mas eles fizeram uma observação para aquele homem porque ele estava usando sua cama. Assumindo que a cura não deve ser adiada, era permitido dar essa ordem? Então eles disseram: “Você não pode fazer o que você faz, tirar sua alface. E que apela para o autor de sua cura: Quem me curou, me disse: Pegue sua cama e caminhe. Eu não poderia aceitar uma ordem de quem eu tinha recebido a cura? E aqueles: Quem é aquele homem que lhe disse: Pegue sua cama e caminhe? (Jn 5:10-12).

11. Os curados não sabiam quem era o homem que lhe deu essa ordem. Jesus, na verdade – depois de ter realizado o milagre e dado ordem – tinha desaparecido na multidão (Jn 5:13). Observe este detalhe. Levamos nosso vizinho e caminhamos em direção a Deus; e da mesma forma que ainda não o vemos para quem caminhamos, de modo que ele ainda não conhecia Jesus. É um mistério que nos é sugerido: acreditamos no Que ainda não vemos, e ele, para não ser visto, desaparece na multidão. É difícil ver Cristo na multidão. Nossa alma precisa de solidão. Na solidão, se a alma é atenta, Deus se deixa ser visto. A multidão é agitada: o silêncio é necessário para ver Deus. Pegue sua alface, traga seu vizinho, de quem você foi trazido; e caminha, para chegar a Deus. Não procure Jesus na multidão, porque ele não é da multidão: ele precedeu a multidão em todos os sentidos. Aquele grande peixe subiu primeiro do mar, e senta-se no céu para interceder por nós: ele sozinho, como um grande padre, penetrou no Santo dos Santos além do véu, enquanto a multidão permanece do lado de fora. Ande, você que traz o próximo; contanto que ele aprendeu a trazê-lo, você que estava acostumado a se empolgar. Em suma, você ainda não conhece Jesus, você ainda não vê Jesus; mas ouça o que se segue. Como ele não abandonou sua alface e continuou a andar, pouco depois Jesus o encontrou no templo. Ele não o tinha conhecido na multidão, ele o encontrou no templo. O Senhor Jesus o viu tanto na multidão quanto no templo; os doentes não reconheciam Jesus na multidão, mas apenas no templo. Isso, portanto, chegou ao Senhor: ele o encontrou no templo, no lugar sagrado, no lugar sagrado. E o que ele ouviu? Eis que você está curado; não há mais pecado, de modo que nada pior acontece com você (Jn 5:14).

12. Então aquele homem, depois de ter visto Jesus e sabido que ele era o autor de sua cura, sem demora correu para anunciar quem tinha visto: ele foi dizer aos judeus que era Jesus que o havia curado (Jn 5:15). Esse anúncio os encheu de fúria: ele proclamou sua salvação, mas eles não buscaram a sua própria.

O Mistério do Sábado

13. Os judeus perseguiram Jesus, porque ele fez essas coisas em um sábado. Vamos ouvir o que o Senhor responde aos judeus. Eu já lhe disse o que ele costumava dizer sobre as curas de sábado: que eles não deixaram seus animais perecerem em um sábado, criando-os se eles caíssem ou alimentando-os. O que me diz sobre a cama de sábado? Aos olhos dos judeus certamente parecia um trabalho corporal, não a cura do corpo, mas a atividade do corpo, ainda mais porque isso não parecia tão necessário quanto a cura. Que o Senhor nos revele, portanto, o mistério do sábado e o significado da observância daquele dia de descanso temporariamente prescrito aos judeus, e nos ensine como este mistério encontrou sua realização nele. Meu Pai, diz ele, continua a agir e eu também ajo (Jn 5:16-17). Causou um grande alvoroço entre eles: a água é agitada pela vinda do Senhor, mas aquele que a agita permanece escondido. No entanto, para a agitação da água, isto é, para a paixão do Senhor, o mundo inteiro, como um grande doente, obtém cura.

14. Vejamos, portanto, a resposta da Verdade: meu Pai continua a agir e eu também ajo. Então não é verdade o que as Escrituras dizem, que Deus descansou no sétimo dia de todas as suas obras (Gn 2:2)? E o Senhor contradizia esta Escritura, devido a Moisés, quando ele mesmo diz aos judeus: Se você acreditasse em Moisés, você acreditaria em mim também; na verdade ele escreveu de mim (Jn 5:46)? Vejamos, portanto, se as palavras de Moisés: no sétimo dia que Deus descansou, não têm outro significado. Deus não tinha deixado de trabalhar suspendendo o trabalho de criação, nem precisava descansar como o homem. Como ele que fez tudo por cano de palavras? No entanto, é verdade que no sétimo dia Deus descansou, e é igualmente verdade o que Jesus diz: meu Pai continua a agir. Mas como pode um homem explicar esse mistério a outros homens como ele, fraco como ele é, como ele ignorante e ansioso para aprender? E assumindo que um homem entendeu algo, como ele pode expressá-lo e explicá-lo para aqueles que tão difíceis de entender, mesmo quando você pode expressar o que você entende? Quem será capaz, ó meus irmãos, de explicar em palavras como Deus pode trabalhar sem fadiga e descansar enquanto continua a trabalhar? Espere, por favor, ter feito mais progressos no caminho de Deus. Para ver isso você deve ter chegado no templo de Deus, no lugar sagrado. Carregue seu vizinho e caminhe. Você virá ver Deus onde você não precisará mais de palavras humanas.

15. Acho que pode-se dizer, em vez disso, que o descanso de Deus no sétimo dia foi um grande sinal misterioso do Senhor e Salvador do nosso Jesus Cristo, que declarou: Meu Pai continua a agir, e eu também ajo. O Senhor Jesus também é Deus. Ele é a Palavra de Deus, e você ouviu que no início ele era a Palavra; e não qualquer verbo, mas a Palavra era Deus, e todas as coisas foram feitas através dele (Jn 1:1.3). Aqui talvez haja o significado do descanso de Deus de todas as suas obras no sétimo dia. Na verdade, leia o Evangelho e verá quantas coisas maravilhosas Jesus realizou. Ele trabalhou na cruz nossa salvação, para que todos os oráculos dos profetas possam ser cumpridos nele; foi coroado com espinhos, foi pendurado na cruz; ele disse: Eu sedento (Jn 19:28), e peguei o vinagre do qual a esponja estava encharcada, para que a profecia pudesse ser cumprida: Na minha sede eles me regaram com vinagre (Ps 68:22). Mas quando todos os seus trabalhos foram realizados, no sexto dia, ele reclinou a cabeça e fez o espírito, e no sábado ele descansou na tumba de todos os seus trabalhos. Então é como ele diz aos judeus: Por que você espera que eu não opere em um sábado? A Lei de Sábado foi dada a você em referência a mim. Volte sua atenção para as obras de Deus: eu estava presente quando elas foram realizadas e todas foram realizadas através de mim. Sei que meu Pai continua a agir. O Pai criou luz; ele disse: Que a luz seja feita (Gn 1:3); mas, se ele disse, significa que ele operou através da Palavra. E eu era, eu sou sua palavra; através de mim através dessas obras o mundo foi criado, e através de mim através dessas obras o mundo é governado. Meu pai então trabalhou, quando criou o mundo, e ainda trabalha agora governando o mundo. Criando ele criou através de mim, governando o governo através de mim. Isso dizia o Senhor, mas para quem? Para os surdos, para os cegos, para os mancos, para os doentes que não queriam saber sobre o médico, e em sua loucura eles queriam matá-lo.

16. Continuando o Evangelista diz: Por esta razão, ainda mais, os judeus queriam matá-lo, porque ele não só violou o Sn. mas chamou Deus de seu próprio Pai. E ele não chamou Deus de seu pai em um sentido genérico, mas em um sentido preciso e único: tornando-se igual a Deus (Jn 5:18). Na verdade, também dizemos a Deus: Nosso Pai que você está no céu (Mt 6:9); das Escrituras também sabemos que os judeus disseram a Deus: Você é nosso pai (São 63:16; 64, 8). Eles não reagiram porque ele chamou Deus de seu pai nesse sentido, mas porque ele o chamou de seu pai em um sentido completamente diferente do que os homens o chamam. Os judeus entenderam o que os arianos não entendem. Os arianos dizem que o Filho não é igual ao Pai, e, portanto, à heresia que aflige a Igreja. Eis que as mesmas pessoas cegas, as mesmas que vieram matar Cristo, entenderam o significado das palavras de Cristo. Eles não entendiam que ele era o Cristo, muito menos que ele era o Filho de Deus, e ainda assim eles entenderam que com essas palavras ele se apresentou como o Filho de Deus, igual a Deus. Eles não sabiam quem ele era, mas perceberam que ele se apresentava como o Filho de Deus, porque ele chamava Deus de seu pai, tornando-se igual a Deus. Mas talvez ele não fosse igual a Deus? Não foi ele que se tornou igual a Deus, mas foi Deus que o gerou igual a si mesmo. Se por sua própria iniciativa ele tivesse se tornado igual a Deus, tal usurpação o teria feito cair em desgraça de Deus. Ele, de fato, que alegou ser igual a Deus, sem ser um, caiu em desfavor (Cfr. É 14: 14-15), e como um anjo ele se tornou o diabo, e prometeu ao homem o veneno do orgulho pelo qual ele foi expulso do céu. Na verdade, o que ele sugeriu ao homem, que invejava por que ele tinha ficado enquanto ele tinha caído? Prove a fruta, e você se tornará como deuses (Gn 3:5); ou seja, tomar com fraude o que você não é, como eu fiz isso, tendo tentado usurpar a natureza divina, eu fui expulso. Não foi exatamente o caso, mas esse foi o conteúdo de sua tentação. Cristo, por outro lado, não havia se tornado, mas nasceu igual ao Pai: foi gerado pela mesma substância que o Pai, como nos lembra o Apóstolo: Ele, apesar de ser da mesma forma de Deus, não considerava ser igual a Deus como uma usurpação. Como assim, ele não considerou uma usurpação? Significa que ele não usurpou sua igualdade com Deus, pois ele a possuía desde o nascimento. E como podemos alcançá-lo que é igual a Deus? Ele aniquilou-se tomando a forma de um servo (Phil 2:6-7). Ele aniquilou-se, não perdendo o que era, assumindo o que não era. Os judeus, desprezando esta forma de servo, eram incapazes de entender que Cristo, o Senhor, era igual ao Pai, embora não pudessem duvidar que isso de si mesmo afirmasse: na verdade, por isso o perseguiram. Jesus, no entanto, suportou-os e tentou curar aqueles que lutavam contra ele.

Deixe uma resposta