Editorial Páscoa 2021 – Morte e Ressurreição de Jesus Cristo: hoje como então

Boletim n°16 – Domingo 4 março 2021Santa Páscoa


“Duas paixões, ódio e medo vigiam esta tumba. Terminou com um pedregulho enorme e equipado com o selo da sinagoga. Soldados regularmente alternam com a guarda para evitar visitas clandestinas. E acredita-se que essas precauções valerão a pena desperdiçar para sempre na tumba aquela que disse de seu corpo: “Destrua este templo, em três dias eu vou dar a vocês bonitos e reconstruídos.
Oh como os homens se tornam ridículos quando querem levá-lo contra os desenhos de Deus e tentar refutar suas promessas! Na manhã do terceiro dia a terra treme, um anjo desce do céu, remove a pedra da tumba, e a carne do Salvador, revivida por uma virtude divina, é libertada gloriosamente e triunfante dos braços da morte.”
Jesus no Rosário – Padre L. Monsabrè O.P.

Queridos irmãos e irmãs em Cristo,
Louvado seja Jesus Cristo, Ave Maria,
O que aconteceu há mais de 2000 anos em Golgothy não deixa de ser relevante, mas se estabeleceu dentro da humanidade. Pode-se dizer que aquele evento circunscrito no espaço-tempo, deu sua marca aos eventos subsequentes do mundo e hoje estamos em seu epílogo, no confronto final. Os protagonistas sempre são os mesmos. Por um lado, aquele espírito farisáico animado pelo mesmo ódio satânico que premeditou e queria deicídio a todo custo. Do outro Cristo e sua noiva, a Santa Igreja herdeira da Nova Aliança.

Assim como Cristo teve um momento glorioso, no qual ele pregou o Reino de Deus, operando conversões e milagres, o que o levou a ser aclamado como salvador no Domingo de Palma, então a Santa Igreja teve anos gloriosos que o levaram a construir uma civilização. Como Leo XIII escreveu no Dei Imortal”,Houve um tempo em que a filosofia do Evangelho governava a sociedade: então o poder da sabedoria cristã e do espírito divino tinha penetrado nas leis, instituições, costumes dos povos, em todas as ordem e setores do Estado, quando a religião fundada por Jesus Cristo, permanentemente colocada no nível de dignidade que era sua competência, onde quer que prosperasse, com o favor dos príncipes e sob a legítima proteção dos magistrados; quando o sacerdócio e o império seguiram em harmonia e juntaram-se a eles um vínculo auspicioso de serviços amigáveis e percedíveis. A sociedade tirou desta ordem frutos inimagináveis, a memória da qual dura e durará, dada a inúmeros monumentos históricos, que nenhuma arte maligna de inimigos pode contradizer ou obscurecer. O fato de que a Europa cristã domou os povos bárbaros e os tirou da ferocidade à mesmanude, da superstição à verdade; que repeliu com sucesso as invasões dos maomettanos; que ele tinha a primazia da civilização; que sempre foi capaz de oferecer-se a outros povos como guia e professor para cada empreendimento honroso; que ele deu verdadeiros e múltiplos exemplos de liberdade aos povos; que criou com grande sabedoria inúmeras instituições para aliviar as misérias humanas; por tudo isso, sem dúvida, deve muita gratidão à religião, que tinha desejos em tantas empresas e que a ajudou a realizá-los.”

Mas aqui o espírito fariseu, que sempre age nas sombras, horda suas tramas e alimenta a rebelião aproveitando a miséria humana e vícios. Aqui estão as Revoluções que, camufladas em ideais ilusórias, inevitavelmente dão frutos: desordem, morte, destruição e pobreza. Isso é organizado de uma maneira diabólica e hábil. Ela, com seus mil tentáculos, rasteja para cada dobra da sociedade e para a própria Igreja, mudando consciências com um único propósito: a aniquilação do cristianismo, portanto de Deus e, consequentemente, do homem. O povo, que até antes aplaudia, estão contra a Santa Madre Igreja; é difamado e culpado por qualquer suposta injustiça. “Crucifiggete-lo!” o grito un impious das pessoas animadas e obtidas. Nada deve permanecer, de Cristo e de sua Igreja, nem mesmo uma memória distante. Tudo tem que ser apagado.

Hoje estamos na fase final desse processo. Podemos afirmar plenamente que estamos nos dias da Paixão da Igreja de Cristo (e de toda a humanidade). Ela foi declarada morta, ridicularizada e perseguida. Seu rosto está desfigurado e despojado de sua autoridade e os meios para exercê-lo. Deve ser crucificado.

Um selo é colocado na Verdade Proibida. Como então, ódio e medo são as duas paixões que mantêm este selo. O ódio radical daqueles que levam a humanidade ao massacre e ao medo com que este estado de coisas é mantido, e por isso nos referimos explicitamente aos acontecimentos atuais. Não sabemos até onde os eventos irão, até que ponto Deus permitirá que os promotores deste plano infernal vão. Quase certamente os sofrimentos de uma grande purificação nos esperam até a morte de Croce que veremos como ela se manifesta. Cristo aparentemente abandona a humanidade completamente para si mesmo, para seus jacarmões e o resultado será, ainda mais do que nas fases anteriores da revolução, morte e destruição, já que agora nada mais parece limitar a ação dessas forças.

Mas a derrota já está sancionada. Três dias (os famosos três dias de escuridão?) serão suficientes para despedaçar completamente e frustrar os esforços seculares: Oh como os homens se tornam ridículos quando querem levá-lo contra os projetos de Deus e tentar desaboar suas promessas!
Aqui está a glória da ressurreição, comprada ao preço do sofrimento mais horrível. Tinha que ser assim. É o Salvador quem diz àqueles que, como os discípulos de Emaús, são escandalizados por sua paixão: Nonne oportuit pati Christum, et ita latrare in gloriata suam?

“Agora, o caminho que os soldados devem bater não pode ser diferente daquele percorrido pelo capitão. Alistados sob a bandeira de Cristo, não esperemos chegar à glória incorruptível e à felicidade eterna que Deus nos prometeu.na rua (desajeitadamente muito ocupado) de alegrias e prazeres. Jesus não passou por isso. E o caminho áspero da dor, semeado novamente por seus passos sangrentos, que leva às glórias da eternidade. É a cruz que ele trouxe, a cruz em que ele morreu, que abre os portões do céu, inexoravelmente fechada à suavidade do mundo. Sofrendo para viver eternamente, tal é o uniforme do cristão.
Mas o mistério da Ressurreição é uma imagem viva de mudança espiritual, que deve ocorrer em cada um de nós. Pecado é morte: o pecado é a tumba onde nossa alma cativa dorme com o sono mais fatal. O inimigo da saúde leva toda arte para nunca acordar. No entanto, ele não pode impedir que a voz de Deus chegue ao nosso túmulo: “Levante-nos, ela chora para nós, nos crie, você que dorme, te tire dos mortos, e Cristo irá iluminá-lo” (Surto, qui dormi», et exurge a mortuis, et illuminabit te Christus (Eph. V. 14).
Na primeira chamada desta voz, nós imediatamente saímos do pecado. Também pode permanecer em silêncio para sempre. E então uma morte mais longa talvez geraria corrupção irremediável em nós.
Mas como sair? Como quebrar as ataduras que nos engolfam? Como podemos levantar a pedra que nos cobre, isto é, os hábitos inveterados, a vergonhosa covardia de nossa vontade enfraquecida pelo consenso dado à culpa? — Coragem, ou cristão. O símbolo contém uma promessa. É para nós que Jesus Cristo ressuscitou. Resurrexit propter iustificationem nostram (Rom. IV. 25.). A virtude divina de sua glorificada humanidade um dia reunirá nossas cinzas dispersas e reviverá nossa carne, dissolvida da morte, com eterna incorruptibilidade: mas agora a virtude divina quer agir sobre nossa alma e fazê-la passar do pecado para a justiça, e dar-lhe força para caminhar em grandes passos em uma santa novidade da vida.

Ó bom Jesus, confio-me apenas a ti, meu adorável Mestre. Tenha misericórdia de mim: estou morto, ou pelo menos me sinto morrer todos os dias: porque não é viver minha contínua definhando em mordaza. Pela virtude de sua sagrada ressurreição, deixe-me sair da tumba das minhas imperfeições. Renove minha alma: para que, penetrada por sua luz, livre da predominância da carne, ágil para o bem, e inteiramente compreendida ao trabalho de sua perfeição, ela não possa viver mais do que para você, pois você não vive mais do que para Deus.”[1] Queridos irmãos e irmãs em Cristo, este é o desejo que desejamos a vocês por esta Páscoa Sagrada: que sua vida seja de hoje e sempre na graça de Deus, fortificada pelos sacramentos, tecida com oração e sacrifício, nutrida por aquela fé autêntica que move as montanhas; que você confie e refugie permanentemente nos corações divinos de Jesus e Maria, a fim de ser libertado da escravidão da carne e de todas as outras luxúrias. A fim de ser capaz de dizer com o Apóstolo: ego vivo, geleia não ego. Vivit verdade em mim Christus!

Obrigado pelo seu testemunho, que Deus lhe dê crédito por isso.
Páscoa para todos vocês e suas famílias.

Oremus ad invicem em Jesu et Mariae

Lo staff di Exsurge Christianitas


[1] Jesus no Rosário – Padre L. Monsabrè O.P. – Ed. Tip.Pontificia e Arciv. Dell’Immacolata Concezione-Modena, p.96-99

Deixe uma resposta